Paz entre nós guerra aos senhores!

By | 18:00:00 Leave a Comment






Hoje aconteceu mais uma assembléia dos profissionais de educação do estado do Rio de Janeiro. Nessa assembléia se discutiu sobre os rumos da luta no estado, pós o anuncio do Governador Interino Francisco Dorneles de Estado de Calamidade Pública. Depois de uma discussão saudável e democrática, a grande maioria da assembléia decidiu a continuidade da greve da educação do Rio de Janeiro e um ato com a concentração no Museu do Amanhã que saísse andando pelos trilhos do VLT até a cinelândia.
Em um episódio covarde e de caráter fascista, quando uma companheira da AERJ andava em meio ao ato com nossa bandeira nas costas de surpresa um individuo vestido de preto e encapuzado puxou a bandeira e com muita rapidez há levou para o meio da manifestação. Isso nos causou muita indignação e revolta. Não poder andar tranquilamente no meio de um ato onde todos querem uma educação pública de qualidade é um absurdo e uma atitude além de covarde caráter fascista.
Não nos enganemos que fascista é só quem clama por ditadores na camará federal ou a policia militar que combatemos dia a dia. Devemos debater com a mesma gana discurso e práticas fascistas do nosso meio. Nosso inimigo é essa sociedade falida e essa política que os governantes se dedicam seus dias a construir para aumentar os lucros dos ricos e não quem decidiu se organizar e lutar, porém pensam a tática diferente da nossa. Reprimir que qualquer estudante use uma camisa de entidade ou que hasteie sua bandeira e ideal foram fatos que a ditadura militar fez e que relembrando vários heróis cujo quais falamos muito em nossos discursos como Mariguela, Manoel Lisboa de Moura, Marco Nonato da Fonseca, Olga Benário, Helenira Resende entre outros deram suas vidas pra  combater.
Nós da AERJ não achamos que somos donos da verdade. Construímos um movimento em todo o estado do Rio de Janeiro e nos dedicamos a o máximo a construir o movimento estudantil da melhor forma possível de uma forma independente de governo e combativa. Construímos grêmios, fazemos manifestações, ocupamos escolas e sempre estivemos presentes na luta ao lado dos professores e nunca nos negamos a debater de uma forma tranquila com quem discordasse da nossa prática e atuação. Entendemos que esse fato é marcante pois ninguém em momento nenhum questionou nossa participação no ato e numa ação baixa, que lembra atitudes da PM quando assassina jovens negros na favela pelo simples fato de serem negros e pobres  fomos julgados pelo simples fato de nos organizarmos para lutar. Esse fato é simbólico para o movimento estudantil e que tem que nos fazer refletir. Além de termos poucas bandeiras e só quem milita cotidianamente sabe o quanto suamos para ter cada uma delas, atitudes como essa não somam em nada para um movimento combativo e conseguente e sim para rinchas do movimento estudantil e fortalece um discurso de ódio contra quem não é nosso inimigo real.
Nossa resposta é nas ruas e em organização. Nosso trabalho só cresce em todo o estado e caminhamos para organizar o maior congresso de estudantes do Rio de Janeiro. Hoje somos centenas de jovens no Rio de muitas etnias, orientações sexuais, cidades e opiniões. Nosso consenso é compartilhar o  sonho de construir uma escola e educação com a nossa cara e uma sociedade justa.
Os cães ladram em quanto a caravana passa!
A nossa luta é todo dia!
Fascistas não passarão!
A AERJ somos nós!
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários: