DOPS, Ocupar a memória!

By | 10:16:00 Leave a Comment
    
  Há 50 anos atrás o nosso país passava por um terrível momento de sua história, com a implantação da ditadura militar em 1° de abril de 1964. Durante esse período bárbaro, centenas e milhares de trabalhadores, camponeses,
mulheres e jovens, foram duramente assassinados, torturados e seus corpos desaparecidos. Seus crimes, foram apenas defender um país com mais saúde, emprego, moradia e educação. Além de acabarem com a vida e o sonho de vários jovens, os carrascos da ditadura militar, cassaram os mandatos, fecharam o congresso nacional e ilegalizaram todas as entidades estudantis e sindicatos. Era proibido se organizar, lutar era crime.

      Passados todos esses anos, ainda lutamos pela garantia da memória, verdade e justiça. Pois os criminosos que assassinaram milhares de brasileiros, até hoje estão impunes, morando nos seus apartamentos, vivendo sua vida tranquila e passeando com seus cachorrinhos na beira da praia, como se nada tivesse acontecido. 

       A AERJ, felizmente ou infelizmente não passou por esse duro período, mas tem como lideres máximos todos os estudantes que deram aquilo que tinham de mais precioso, que era sua vida, sua juventude para lutar por país democrático. Seguimos o exemplo do nosso patrono, o estudante do CPII - Humaitá, Marcos Nonato da Fonseca, o mais jovem militante da ALN (Ação Libertadora Nacional), que dizia: "Nossa luta não terminou, porque é a luta de um povo contra seus opressores".

          Hoje damos consequência e continuidade a luta para que todos os criminosos sejam julgados e punidos pelas atrocidades que cometeram, que as famílias de todos os heróis do nosso povo, possam enterrar seus corpos e que os centros de tortura como o Dops e o Doi-Codi, se tornem centros de memória daqueles que lutaram. 

          Entendemos que só assim poderemos resgatar toda  história do nosso povo que os facínoras tentam apagar com a borracha. 
          Nesse sentido a AERJ junto com o Coletivo Memória, Verdade e Justiça do RJ, o Centro Cultural Manoel Lisboa, o Ocupa Dops, dentre outros movimentos de luta pela memória, estão construindo uma grande campanha de luta para que o antigo DOPS (Departamento de Ordem Política e Social), seja tombado com fins de se tornar um Museu da Resistência, como existe na cidade de São Paulo. 

           No dia 19 de agosto, foi realizado uma audiência pública na Alerj (Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro), pela Comissão Estadual da Verdade - RJ (CEV-Rio) em parceria com a Comissão de Direitos Humanos da casa, para discutir a destinação do edifício. Pois existe um grande "interesse" da polícia civil, de tornar o mesmo local em um museu da polícia. Apesar de ter sido um grande passo para que o povo brasileiro tem esse prédio para o resgate histórico de sua luta, é necessário realizarmos ocupações culturais, panfletagens e debates em todas as escolas, universidades, sindicatos, favelas e bairros para que essa discussão esteja mais presente no cotidiano da juventude e do povo.  

         
A AERJ, convida a todos a marcarem presença nas atividades culturais do OCUPA DOPS no dia 25 de agosto e nesse mês, o mês dos estudantes realizarmos vários debates sobre os 50 anos da ditadura militar e a resistência da juventude.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários: